Há várias formas de proteger os dados de um computador contra vírus, malware e ransomware. Como antivírus, EDR, firewall e varreduras de vulnerabilidades. No entanto, um programa de varreduras automatizado nem sempre é suficiente.

Um pentest pode ajudar a fechar aquelas brechas de segurança que outras ferramentas de segurança não conseguem fechar (nem enxergar), tudo sob a vigilância de especialistas.

Veja o que são os vírus e como lidar com eles.

O que exatamente é ransomware?

Ransomware é um ataque cibernético que tem aumentado constantemente nos últimos anos. Acontece quando um hacker acessa o computador de um usuário e criptografa os arquivos que estão dentro dele (crypto ransomware) ou criptografa todo o sistema (locker ransomware).

Ato seguinte, o proprietário do computador receberá uma mensagem: Se ele quiser acessar o dispositivo novamente, terá que pagar. É daí que vem o nome de “ransomware”. “Ransom” é o termo em inglês para “resgate”. O ransomware mantém os arquivos do PC como reféns e exige um resgate.

Isto não afeta apenas pessoas individualmente, mas se houver uma rede de TI envolvida, como em grandes empresas ou hospitais, o ransomware poderá paralisar todo o sistema.

Quanto mais importante for para uma empresa acessar seus dados, maiores serão os valores do resgate e maiores serão as chances de sucesso por parte dos hackers.

Outro termo para o ransomware é Cryptolocker ou Crypto Trojan, nome baseado no ataque que usou o malware CryptoLocker para criptografar os PCs com Windows no ano de 2013.

Um ponto de partida popular para os hackers: A engenharia social

Com um pouco de pesquisa na internet e nas mídias sociais, os hackers podem obter informações básicas sobre os funcionários de uma empresa para usá-las em e-mails infectados e aumentar as chances de que os arquivos maliciosos sejam clicados. Se isso acontecer em um PC corporativo, o malware pode se espalhar por toda a rede.

O termo “phishing”, por exemplo, é uma prática de engenharia social. Esta é uma das mais usadas pela sua alta taxa de sucesso (sucesso para os hackers), se for bem implementada, pois com os dados certos e uma aparência realista, os hackers conseguem fazer que um e-mail falso seja difícil de identificar. Por isso a importância de treinar os funcionários, mas esse é tema para outra oportunidade.

Ransomware, malware ou vírus. Existe diferença?

Malware é uma palavra artificial composta de “malicioso” e “software”, ou seja, ela se usa para designar que um software é malicioso ou prejudicial, e é o termo genérico para programas de computador projetados para causar danos.

Vírus e ransomware são malware, mas vírus e ransomware não são a mesma coisa.

Um vírus infecta os arquivos e procura se espalhar o mais rápido possível. O ransomware também funciona da mesma forma, só que ele tem como objetivo específico garantir que, além disso, a criptografia ocorra nesses arquivos e possa ser removida unicamente se você —neste caso apenas o hacker— souber como.

E o que é um pentest?

Um pentest tenta prevenir futuros ataques de ransomware e similares. Não confia em verificações de arquivos, a diferença dos antivírus. Em vez disso, um especialista trabalha manualmente para encontrar as lacunas em um sistema de segurança.

Um teste de intrusão, como também é chamado, funciona como uma simulação de ataque de hacking. Ou seja, ele ataca sua rede de TI interna e externamente de forma controlada e sob vigilância para ver que brechas precisam ser fechadas. O teste verifica os pontos que tornam um sistema vulnerável, como:

  • – erro de código,
  • – erros de software,
  • – erros de configuração,
  • – configurações inseguras.

Por que o teste de penetração é útil?

Em vez de aprender com um ataque real e suas consequências graves, um teste de intrusão controlado também pode ser usado para descobrir onde há falhas em seu próprio sistema de segurança. Isso economiza os altos custos de tempo de inatividade, recuperação e possíveis prejuízos financeiros que possam resultar de um verídico ataque cibernético.

Acima de tudo, as empresas que lidam com dados de clientes podem aproveitar para se proteger neste processo de testagem, pois os bancos de dados de clientes são um grande atrativo para ataques de ransomware. Após um ataque em que o banco de dados é divulgado, a empresa geralmente perde sua boa reputação e confiança por parte de investidores e clientes, mas você pode antecipar isso com a realização de testes de invasão regulares.

O pentest para estar em conformidade

Em última instância, mas não menos importante: de acordo com a nova Lei de Proteção de Dados (LGPD), as empresas são obrigadas a provar que implementaram um sistema de verificação regular de sua segurança cibernética. O pentest é adequado para esses requisitos e, portanto, elimina as probabilidades de que você tenha que pagar multas por negligência.

Em conclusão

O Ransomware foi desenvolvido para chantagear o usuário de um computador, bloqueando os arquivos ou o sistema e liberando-os apenas depois que o usuário libera o pagamento, se for o caso. Este tipo de ataques são particularmente fatais para grandes empresas, cujo acesso a dados importantes é vital para suas operações diárias.

Os ataques de resgate e malware estão crescendo continuamente e mudando frequentemente suas estratégias, mas realizar um pentest ajudará você, e sua empresa, a se manter atualizado, identificar suas brechas para fechá-las e a ter sempre a proteção mais atualizada contra ataques.

Saiba mais sobre a nossa Ferramenta de Pentest ou clique no botão abaixo para falar com um dos nossos consultores. A gente têm duas formas de te ajudar na realização de Testes de Intrusão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima