Next Generation Antivírus. O que é e por que mudar?

Um novo termo está ganhando o mercado da cibersegurança. As pessoas e empresas estão falando sobre Next Generation Antivirus ou Antivírus de Nova Geração.

Da mesma forma que o Next Generation Firewall passou a ser usado pelos profissionais de TI e começou a ser preferido ao invés do Firewall tradicional, agora também podemos falar de uma nova versão de Antivírus, mais atualizada e ajustada às necessidades atuais do mercado da segurança digital.

O substituto do Antivírus Tradicional

Antivírus tradicional é aquele que funciona mediante assinaturas, depende da nuvem ou de atualizações e vacinas que devem ser desenvolvidas contra os novos tipos de malware.

Claro que ele funcionou em algum momento, quando a internet começou a ser massiva, pessoas mal intencionadas descobriram que ela podia ser usada para fins maliciosos e começaram a desenvolver as primeiras ameaças e vírus.

Só que desde aquele momento, muita coisa mudou. Em poucos anos, a internet passou de ser opcional a ser um serviço tão básico quanto a luz ou água e nela começaram a convergir milhares de milhões de pessoas.

Hoje, em uma internet massiva e globalizada, se faz evidente a necessidade de novos mecanismos de segurança. O mesmo antivírus que antes protegia contra uns 10, 100 ou até 1000 tipos de malware não pode ser o mesmo antivírus que hoje deve proteger contra aproximadamente 350.000 variantes de malware a cada dia.

O nosso século precisa de uma nova proteção.

A nova geração dos antivírus

A cibersegurança percebeu isto e decidiu inovar. Um novo antivírus que não depende de assinaturas ou vacinas está agora começando a liderar o mercado da proteção dos endpoints. A chave deste tipo de solução é sua segurança baseada em IA e Machine Learning, as quais fazem possível a identificação de ameaças conhecidas (como no caso do antivírus tradicional) e desconhecidas (que é a parte inovadora).

Isto é possível devido ao modelo algorítmico que funciona sem a intervenção de usuários ou administradores, e sem conexão de nuvem, assinaturas, heurísticas ou sandboxes. Este tipo de anti malware tem a capacidade de detectar e colocar em quarentena o malware em redes abertas, isoladas e virtuais. 

De reativo a preventivo

Os antivírus tradicionais baseados em assinaturas, geralmente usam como argumento o fato de serem preventivos contra ameaças, só que na prática, a realidade é que eles funcionam de forma reativa, pois reagem quando uma ameaça atacar e não antes. Só que o problema desta abordagem é que muitas vezes a ameaça precisa acessar o sistema para o antivírus analisar ela e depois se defender, e isto pode resultar em prejuízos.

Os Next Generation Antivirus são preventivos porque não deixam que as ameaças entrem no sistema para depois reagir e se defender, eles protegem desde antes. Quando a ameaça está tentando entrar no entorno digital, conseguem interromper o funcionamento do malware antes que ele seja executado.

Com Inteligência Artificial e Machine Learning, eles conseguem criar diferentes desafios que os arquivos deverão superar e entrar no sistema. Não dependem de uma base de informações para entender se um arquivo tem características maliciosas ou não, porque eles têm a capacidade de analisá-lo individualmente e independentemente para fazer sua própria classificação. 

 Os resultados

Os clientes que migraram de produtos antivírus com base em assinaturas, reativos e tradicionais, observaram um ROI de até 99%, uma redução de 97% na imagem de máquinas, desempenho estendido de hardware e bateria, e redução de 90% nas horas de pessoal necessárias para administrar a solução. 

Além disso, conseguiram detectar ameaças a um ritmo mais acelerado, assim como arquivos maliciosos que estavam dentro dos sistemas e dos quais não se tinha conhecimento, nem por meio de antivírus tradicionais. 

Entre outros resultados e benefícios de usar um antivírus de nova geração podemos mencionar:

  • Melhoria da produtividade da equipe de segurança digital
  • O tempo perdido foi reduzido em 95% com investigação e correções mais rápidas
  • Redução de reimagens de máquinas em 97%

Não tem muito para pensar

A troca é inevitável e é a única coisa segura a fazer. Isto é assim em tudo, até na segurança digital. A proteção deve ser atualizada e modificada de acordo com as situações e as necessidades.

Quer saber mais sobre este tema? Clique abaixo e veja. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima